Posts Tagged ‘vazio’

Água da Alma

outubro 14, 2010

Um dos textos de Davi começa assim: “Minha alma tem sede… quando irei e me verei diante de Deus, do Deus verdadeiro?”. Exclamação de Alma. Sei, embora busque negar, que é o que nos falta: Deus. Sei que todas as nossas tristezas são fruto de uma existência incompetente sem Deus. Porque nós e Ele somos realidade indivisível. “Quando irei e me verei” finalmente perante o irrenunciável Pai? Porque somos, independente da nossa vontade, Pai e Filho. Os amores da vida não são suficientes, assim como as aventuras, as tragédias, nada basta. Existo, estou Exausto. Nesta vida, sedento no amor, no labor, na guerra… há muito em mim a ser saciado.

 

“Minha alma tem sede”… minha Alma quer Algo. Água? Abba! *

 

“Abba” em aramaico significa “Pai”.

Anúncios

À Beira do Poço

junho 1, 2010

Mais uma vez aquela mulher retornava ao poço da sua alma. Mais uma vez ela iria inclinar-se com dificuldade sobre seu vazio existencial buscando erguer de lá de dentro algum significado, algum conteúdo. Sua alma: poço de águas tão profundas. Mas ela habituou-se a isto: ao sacrifício de Ser, à sede diária.

 Quem é este que espera à Beira do Poço? O que ele procura?  “Minha alma é profunda demais e você não tem como chegar até ela”, murmura pálida de esperança a mulher. Ela comete o principal engano da humanidade: orgulhosamente diz que sabe mais de si do que Deus o sabe. Ele responde a ela com um enigma profundo, sua voz ecoa no interior do poço escuro, praticamente seco:

 Se você verdadeiramente soubesse quem te pede “alma”, se você verdadeiramente entendesse, é você quem estaria clamando agora. Então não seria mais um poço vazio, sedento, mas uma fonte de águas vivas que jorram para a eternidade. Ao ouví-lo, instantaneamente, ela sentiu o interior agitar-se: Havia vida naquelas palavras. O poço voltava a minar água, lentamente, duma água viva. Transformada, ela ergue-se e passa à diante, para anunciar a todos o que havia visto e ouvido: sua Alma transbordava.

“Quem é este que espera à Beira do Poço ?”

Deus, Médico ou Juiz ?

maio 4, 2010

Muitos vêem Deus como Juiz: imparcial, legalista frio, uma autoridade distante e formalizada. Esse “Deus Juiz” não considera emoções. Ele não permite que você se justifique. Que você se explique. Ele apenas aponta erros. Traz à tona todos os erros para que testemunhem contra nós e nos sentencia a pagar, sofrer, penar. Ele te exclui por conta dos seus pecados, sempre com aquele ar de superioridade e de decepção arrogante. Ele nos condena por aquilo que fizemos ou carregamos de mal, independentemente das circunstâncias ou do nosso grau de culpa. Diante desse Deus juiz não haveria outra possibilidade pra nós: condenação, condenação perpétua.

Ah, se eles conhecessem a Deus como Ele realmente é: um médico. Então saberiam, primeiramente, que ele é bom. Muito bom. Paciente, atencioso, habilidoso com pessoas e extremamente bem intencionado. Ele só quer o nosso bem. Está 24h de plantão para nos atender em qualquer necessidade, dor, dúvida. Descobririam que Deus, a essa altura das coisas, nunca esperou ou esperará que alguém chegue até Ele sem erros, sem pecado, porque todos nós temos essa natureza que adoece. Ele é um médico, oras. Está acostumado a todo tipo de doenças (umas na alma: depressão, inveja, orgulho, maldade, mentira etc; outras na vida: carnalidade, materialismo, egocentrismo etc). Aliás, ele não rejeita ou exclui os doentes, pelo contrário, a sua vontade é que todos venham até Ele o quanto antes e contem qual é o problema. Eu posso até ouvir Ele perguntando: “O que você está sentindo, meu filho (a)?”. Então, depois de ouvir tudo, ao invés de uma sentença, Ele te dá o diagnóstico. E com o diagnóstico, ao invés de um castigo, Ele prescreve o tratamento. A cura. Deus, como médico, só deseja uma coisa para os seus filhos (pacientes): que você viva. E viva bem. “Abundantemente”.

 

Um Recado do Médico: Deus, médico dos médicos, sabe que algumas pessoas sofrem de um mal terrível, um mal genético que os deixa cada dia que passa mais debilitados, definhando de dentro pra fora, e que mais cedo ou mais tarde os levará a uma dura morte, se nada for feito. E pra esse mal congênito, só há uma solução: uma transfusão de sangue. Isso mesmo. E de um tipo de sangue especial: J+ (o sangue de Jesus, “Jesus na veia”). Deus, como seu médico, irá insistir para que você o aceite, porque essa é sua única chance. Se aceitá-lo, você terá uma vida muito mais longa do que imagina. Deus, como médico, garante que o tratamento é 100% seguro, gratuito e sem efeitos colaterais. Você terá uma vida normal, sem perder de aproveitar nada do que é bom. Se você sente algum desses sintomas como vazio, solidão, tristeza sem motivo, ansiedade e falta de perspectiva do futuro, desorientação sobre o sentido da vida, dor intensa na alma, medo do amanhã, etc., não deixe de procurá-lo o quanto antes. Ainda há esperança. Ele tem a cura pra você.

Que você deixe de vê-lo como juiz e o veja como Ele realmente É. 

Suas Palavras garantem:

“Porque eu não vim para julgar o mundo, mas para salvá-lo”  (ver. João 3:17)