Posts Tagged ‘salvação’

“Jesus como seu Salvador”

novembro 20, 2011

Ter Jesus como Salvador parece simples. Parece uma questão de Afirmação. Vou tentar dar aqui minha perspectiva do que isso significa, em poucas palavras.

Nós diariamente precisamos de Salvação. A cada instante. Nossas escolhas podem representar Salvação ou Perdição. Aceitar aquela determinada proposta de emprego pode significar a ruína dos meus relacionamentos ou uma grande alavancada no meu desenvolvimento pessoal. Quem determina qual será o resultado das minhas escolhas ? O meu espírito, o que carrego de virtudes e valores comigo, a minha bagagem. É aí que Jesus é determinante. Acredito que Ele representa o exemplo máximo de alguém que viveu, como dizemos, “em espírito”, ou seja, viveu em virtudes, viveu bem (no sentido de saber amar, permitir ser amado, valorizar a vida e as pessoas, não se perder pelas ilusões do mundo) e para o bem. Acredito também que não há outro caminho que leve alguém a este nível de entendimento, senão aquele que Jesus aponta. Ele é o exemplo mais intenso, constrangedor e poderoso de amor e de elevação que jamais existiu. Quando eu digo que “aceito Jesus como meu Salvador”, estou dizendo que aceito este modelo de existência, essa postura diante da vida, esses “mandamentos” de alguém que é mais que um mestre de boas maneiras, mais que honorariamente o “filho de Deus”. Ele é o único que pode me levar a, vivendo a vida de maneira diferente, descobrir a resposta para meu maior questionamento: qual é o significado de tudo isto.

“Eu sou o caminho, a verdade e a vida”.

Meu Caminho, Minha Verdade, Minha Vida.

Anúncios

Céu.

janeiro 31, 2011

Em meus sonhos, era assim:

“Eu deixava de respirar. A escuridão consumia a vista e o silêncio me cercava. Depois deste Vale da Sombra, começava a ascensão. Primeiro vinha a Grande Luz, no alto de uma escada rolante interminável, onde Milhares de outros crentes enfileirados seguiam lentamente rumo ao Céu. Os Portões Dourados, Anjos subindo e descendo, estava tudo lá. O som agudo de Trombetas produzia uma música harmoniosa com aquele ambiente de contemplação. No fim da subida, milhares se reuniam às portas da Morada Eterna para ouvir, como num grande show, uma Grave Voz dizer “Venham, benditos de meu pai. Entrem”. Entrávamos pelos portões cantando e lá estava o Paraíso: Algo Indisível, Inimaginável, Indescritível, de modo que a narração se encerra aqui”.

Amadureci. Meus sonhos amadureceram também. Percebi que aquela minha projeção da “Glória Final” possuia algumas falhas as quais não vou me ater, porque talvez eu atinja o sonho de mais alguém. Só me resta então, em poucas palavras, contar como é o sonho agora, que até mudou de nome, passando a se chamar “Finalmente, o Encontro”. Vejamos:

“Abro os olhos. Nem percebi que havia Adormecido. Apesar de o lugar parecer diferente, não me é estranho. Apesar de saber que faz muito tempo que estive ali, sei que Conheço bem aquele lugar. Aquela cama costumava ser minha, assim como o quarto iluminado pela Estrela da Manhã e o aroma de Pão Nosso de cada Dia do café. Enquanto suspiro profundamente e sinto-me mais Vivo do que nunca, ouço alguém à porta do meu quarto, esperando o convite para entrar. Meu coração, surpreendentemente emocionado, está à beira de matar uma Saudade enorme de alguém. Convido-o. Então ele surge pela entrada. Meus olhos confirmam uma Certeza antiga de que ele estaria me esperando: Jesus. Ele diz:

– Bem-vindo de volta! E sorri. – Mesmo sabendo a resposta, pergunto:

– Onde estou? – Ainda digerindo a informação e sem conter a Satisfação plena. Ele olha em volta como quem demonstra algo óbvio e triunfante e responde, com alegria:

– Onde mais? Você está em Casa!

Profundamente, então, eu sei que é Verdade. Estou em Casa. E este é o meu “Céu”.

Porta Estreita

setembro 13, 2010

No fim daquele Caminho apertado, alto, lá está: a porta. Mas quem disse que ela jamais esteve fechada? O Mestre nos disse para seguí-lo por este caminho (“Eu sou o caminho”). Não haveria erros. Desvios? Sim, existem muitos. Mas todo desvio é precedido de Escolha. E depois de desviar-se, você sempre pode voltar atrás. Este caminho é inconfundível.

Aquela Porta é especial. Esteve durante todo o tempo aberta. Não há porteiros nem guardas, ainda que além de seus umbrais esteja reservada toda a riqueza que há. É que há o bastante para todos. Esta porta também é especial. Às vezes, surge diante do homem no leito de morte, radiosa. E ele toma a adiada decisão. Então caminha pelo curto caminho, atravessa a porta delicada e encontra a Vida outra vez.

O Caminho é curto, mas não é penoso, calcário. É um caminho alto, de aspirações, elevações e muitos êxtases. Definitivamente não é a ladeira do Gólgota. Porque ela já foi usada pela última vez. Este caminho não está condicionado a penitências, portanto não tem degraus. É um leve e contínuo aclive, com a vista do maior nascer do sol que há de vir além dos montes eternos.

A Porta é especial. Apesar de estreita, é perfeita para todos os tamanhos de homens e mulheres. Porque foi feita na medida de um Deus (Jesus), que se esvaziou e veio nos mostrar como encontrá-la e seguir por ela. Esta porta não rejeita quem quer que esteja diante dela em busca de abrigo. Quem quer que esteja em busca de abrigo. Esta porta significa retorno ao lar que deixamos. Lá onde Deus habita.

O Caminho… isto quer dizer que já passamos por ele uma vez, decaímos, sim. Por sorte nos lembraremos, antes do fim, por onde retornar. É apertado para que você, por si só, decida seguí-lo. Sem multidões, sem pressões sociais, sem outros “guias”, porque só há um Pastor e Messias genuíno, e este, definitivamente, já está com o Pai, à sua espera, no fim da jornada.

Quer seguir este caminho, encontrar esta porta?

“Você me Buscará e me Encontrará quando me Buscar com todo o Coração”.

Ressurreição

agosto 29, 2010

“O fim do pecado é a morte”…”Todos pecaram e não tem mais a glória de Deus”… “Ele levou sobre si”… “porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu filho…”

Ah! Tomar consciência de minhas falhas,
dos erros cometidos reiteradamente,
da profundidade em que as raízes do pecado se agarram às profundezas da alma,
do comodismo, da indiferença,
dos pedidos de perdão sucessivos e insuficientes,
do falso arrependimento,
dos compromissos não cumpridos,
de Jesus torturado injustamente,
ver tudo isso claramente e entender que

pela

Graça

sou

salvo.

Não, não é motivo de lágrimas, nem tristeza.
Não.
Deixei de ser orgulhoso.
De me desesperar com minhas falhas,
de me sentir derrotado ao ver no espelho a face podre dos desejos,
da hipocrisia que nos faz bons de discurso, ruins de prática,
da falsidade que nos faz fingir ver a Deus quando Ele não está Lá, ouví-lo quando Ele nada disse…

Hoje, quando penso no sacrifício de Jesus, naquele santo sacrifício, difícil, doloroso, mas profundamente voluntário e consciente, elaborado em amor e sabedoria, quando me lembro da sua morte, das suas lágrimas, da sua disposição em fazer isso mesmo sabendo que ia receber tão pouco de mim em troca, ou quase nada…

… sinto Paz.

Ouça:

pela

Graça

somos

salvos.

Não Há mais o que Fazer, só aceita-lo. Esta é a nossa ressurreição.

“O fim do pecado é a morte”…”Todos pecaram e não tem mais a glória de Deus”… “Ele levou sobre si”… “porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu filho…”

Ah! Tomar consciência de minhas falhas,

dos erros cometidos reiteradamente,

da profundidade em que as raízes do pecado se agarram às profundezas da alma,

do comodismo, da indiferença,

dos pedidos de perdão sucessivos e insuficientes,

do falso arrependimento,

dos compromissos não cumpridos,

de Jesus torturado injustamente,

ver tudo isso claramente e entender que

pela

Graça

sou

salvo…

Não, não é motivo de lágrimas, nem tristeza.

Não.

Deixei de ser orgulhoso.

De me desesperar com minhas falhas,

de me sentir derrotado ao ver no espelho a face podre dos desejos,

da hipocrisia que nos bons de discurso, ruins de prática,

da falsidade que nos faz fingir…

Hoje, quando penso no sacrifício de Jesus, naquele santo sacrifício, difícil, doloroso, mas profundamente voluntário e consciente, elaborado em amor e sabedoria, quando me lembro da sua morte, das suas lágrimas, da Graça…

… sinto Paz. Você não? Ouça:

pela

Graça

somos

salvos…

Não Há mais o que Fazer, só aceita-lo. Esta é a nossa ressurreição.