Archive for fevereiro \20\UTC 2011

Deus. Política e Religião.

fevereiro 20, 2011

Difícil proposta, hã? Incluir na mesma conversa, como participantes, de um lado Deus, o que ele representa para nós, intimamente, e política e religião, propostas tão “cheias de verdades absolutas”. Mas vamos a ela, à esta tentativa de propor diálogo. Como ocorreu a iniciativa? Um amigo fez, a algum tempo atrás, uma afirmação um tanto desconcertante pra mim. Dizia ele que religião e política nunca deviam se misturar. Eu discordei ferrenhamente. Não porque não havia entendido o significado daquela afirmação (que só exprime o temor, o horror evocado na nossa memória quando lembramos de todas as vezes que alguém misturou esses dois “combustíveis sociais altamente inflamáveis” e pôs fogo na mistura), ou seja, ele estava incomodado com uma questão próxima, real e bastante coerente, mas não tinha em foco o problema em si. E desse modo me propus a ajudá-lo a enxergar este ponto de vista, na medida do possível.

Religião e política não podem ser dissociadas. Assim como política e psicologia, música  e religião, o fenômeno pop e a configuração da família, ou seja, tudo que é humano versus qualquer outra coisa ainda humana.

Mas para responder a esta questão básica preciso traçar uma fronteira. A fronteira entre Deus, na figura de Jesus (que nos é a mais íntima e chegada), e religião. E só recorro a um único argumento simples para estabelecê-la: A religião, toda forma de religião, é anterior ou posterior a Jesus? Sim, porque uma coisa é dizer que Jesus veio instituir a religião, ou que é seu patrono ou ícone. Isto é totalmente falso. A religião é anterior a Jesus. E inclusive, grande parte do seu empenho foi nos tornar mais lúcidos com relação a ela.

Sim, porque é nele, no seu “Life Stile” (ou estilo de vida, como diz um amigo) que eu deposito toda a minha confiança. Minha fé está firmada em sua afirmação quando disse “eu sou o caminho, a verdade e a vida, ninguém vem ao Pai senão por mim”. Logo em seguida ele se levanta, cansado da teoria, e põe em prática aquele modo de viver de arrepiar, contrário a tudo que somos, ferrenhamente oposto ao “modo corriqueiro de viver” ou, como chamamos, “o modo mundano de viver”.

Minha fé não está, nunca esteve, fundamentada na religião, pelo contrário, uso minha fé como bem entendo para criticá-la, assim como faço com a política, a economia, a arte, a moda, enfim, tudo que minha consciência puder tocar, numa tentativa de humanizar estas experiências, torná-las saudáveis. E não vou dizer que quero divinizar nada, porque já quanto a isto não tenho condições. Humanizar sim, porque sou humano. Divinizar pertence a Deus, e somente isto peço diariamente: Senhor, não necessito que a religião seja divina, nem a política, nem a história, nem a economia. Quando chegar a hora, Diviniza a minha alma. E por enquanto, humaniza-me ao máximo.

Logo, quando digo que não posso comprometer meus princípios cristãos diante de qualquer coisa (política, inclusive), estou certo. Mas quando digo que não posso relacionar Jesus a qualquer coisa, estou enganado. Na verdade, o desconforto está em perceber que o que chamamos de “princípios cristãos” não são, ao contrário do que é dito, uma unanimidade pacífica. Há quem diga que levar as pessoas a votar em determinado candidato por esse ou aquele motivo, ditas “em nome de Jesus”, é um ato cristão. Sinceramente, estas discussões pra mim são completamente periféricas, superficiais e frágeis. Quando penso na Palavra “enganoso é o coração do homem, quem o pode sondar?” perco a coragem de defender ferrenhamente quem quer que seja. Quando medito sobre “Como rio de águas assim é o coração do rei na mão do SENHOR, que o inclina a todo o seu querer” percebo que a escolha deste ou daquele nome é indiferente, já que quando o Senhor quiser falar, ele o fará a quem quer que seja.  Toda a discussão perde o sentido e chegamos a lugar algum, porque estamos correndo atrás de respostas a nossas próprias inclinações políticas, tentando elevar nossa aspirante “análise sociológica do ideal de futuro humano” à categoria de “propósito divino”. Realmente, desde ponto de vista, Jesus e política são inconciliáveis. Assim como a religião e a política.

Quer conciliar religião e política? Longo caminho: humanizar essas duas feras sociais, promover o diálogo entre dois leviatãs furiosos em poder e inesgotáveis em argumentos sobre “quem é o melhor caminho para o sucesso da humanidade”. Nota: Talvez um pouco mais do conhecimento de Deus, verdadeiramente Deus, possa ser de grande ajuda na tarefa, logo, é possível o diálogo, conquanto Deus seja posto como mediador entre nós e qualquer coisa.

Quer conciliar Deus e Política? Tente partindo daqui: Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo. Vejo pouco disso no movimento político-religioso de qualquer lugar do mundo (e se formos falar do passado e do presente, vamos ter que nos humilhar ainda mais pelos equívocos bizarros que cometemos e atribuímos a Deus). Talvez seja melhor, de fato, aprender a pilotar a motocicleta antes de empreender grandes viagens, ou seja, talvez seja melhor refrear o discurso e as tentativas, agir com prudência, como ensina a Palavra, para não ferirmos a “Vida em nome de Deus” que queremos preservar no processo de descobrimento do “modo correto”. Porque ainda somos crianças. E só tendo consciência, assumindo esta nossa infantilidade diante de Deus, entendendo que ainda o estamos conhecendo (e estamos longe do completo entendimento), poderemos atingir o “Reino dos Céus”. Concluo, crendo que a causa dos nossos sucessivos insucessos está NÃO no antagonismo radical entre Deus e qualquer coisa (e consequentemente entre Deus e política, Deus e diversas religiões), MAS SIM na dificuldade que ainda temos em conciliar a mente de Deus, a verdade oculta de quem Ele realmente representa para nós, quais são seus propósitos, quem Ele realmente É, à  nossa vida, integralmente, na condição de Homens. Seja na figura de Políticos, Religiosos, ou o que quer que seja.

 

Anúncios

Porque Dançamos

fevereiro 11, 2011

Toda vez que há Comunhão, Há Dança. Davi dançou ao trazer de volta a Arca (simbolicamente a “Presença de Deus”) a Israel. Também o povo de Israel tantas outras vezes festejou com palmas e música. O corpo, na acepção mais pura que houver, diante de Deus, dança. Assim, na ocasião do vaso de alabastro sendo quebrado, aquela mulher que se curvava para lavar os pés de Jesus, dançou. Davi, perante Golias, cheio do Espírito e consciente da força que o Senhor É, dançou com a funda nas mãos, triunfante. Quem pode dizer, então, que andar sobre o fogo não é dançar? Ou passear entre os leões não é uma valsa? Ou que marchar sete vezes ao redor de Jericó e ver os muros ruirem não é coreografia? Anjos subindo e descendo: dança. Homens arrebatados pelo vento, pelo fogo: dança. Mulheres prostradas, humildes, aos pés da cruz, braços erguidos ao Mestre crucificado: dança.

E é o Amor, primeiro e puro Amor, que nos inspira.

“Então as moças se alegrarão na dança, como também os jovens e os velhos se alegrarão na dança… e lhes darei alegria” (Jeremias 31:13)

Oração dos Fortes

fevereiro 1, 2011

Pai, se for possível, ao invés do Poder para destruir inimigos, me dê Misericórdia, apenas. Que o Poder e a operação da Justiça sejam apenas tuas. E se for possível, no lugar do Controle sobre os outros, me dê amigos. Para que minhas mãos nunca estejam desamparadas quando não puderem mais segurar as pontas.  Se for possível, Pai, livra-me do peso da Força. Para que eu seja sempre leve e nunca um fardo que oprima a alguém. Se for possível, Pai, não permita que me alcancem os embates. Mas se houver embate, que seja eu o vencido. Não cultivarei minhas guerras. Ajuda-me a “Descansar Em Paz”.

01 de Fevereiro

fevereiro 1, 2011

“Ora, Tomé, um dos discípulos, não estava com eles quando veio Jesus. Disseram, pois, os outros discípulos: Vimos o Senhor. Mas ele disse-lhes: Se eu não vir o sinal dos cravos em suas mãos, e não puser o dedo no lugar dos cravos, e não puser a minha mão no seu lado, de maneira nenhuma o crerei. Oito dias depois, estavam outra vez os seus discípulos reunidos e com eles Tomé. Chegou Jesus, e apresentou-se no meio, e disse: Paz seja convosco. Depois disse a Tomé: Põe aqui o teu dedo, e vê as minhas mãos; e chega a tua mão, e põe-na no meu lado; e não sejas incrédulo, mas crente. E Tomé respondeu, e disse-lhe: Senhor meu, e Deus meu!

Disse, então, Jesus: Porque você me viu, Tomé, você crê; Felizes os que não viram e creram”. (João 20:24 a 29)

 

Olá pessoal do Blog, segue aqui alguns questionamentos de ultimamente. Espero que vocês encontrem no seu relacionamento com o Pai e nos frutos desse nosso estilo de vida respostas seguras para eles. Preocupado com nossas “certezas” sobre a Fé e sobre esta Vida que proponho esta reflexão, na esperança de que, ainda cedo, a gente alcance conclusões realmente bem-sucedidas (ou “Bem-Aventuradas”, “Felizes”, como passarei a chamar) a respeito de Deus e do que buscamos.

Grande abraço, Thiago

Felizes o quê? A Bíblia nem sempre propõe sugestões muito comuns a nós e à nosso modo de viver o Cristianismo. Aliás, me preocupo, porque algumas coisas simplesmente passam desapercebido aos nossos olhos. Ou não vimos o texto, ou por conveniência, somos coniventes com certas omissões. Digo isso porque passei boa parte do dia hoje refletindo sobre essas palavras: “Felizes os que não viram e creram”.

Qual era a situação? Tomé, um dos discípulos, precisava de evidências fáticas, algo para tocar, algo material, sólido, para afastar suas dúvidas sobre a Ressurreição de Jesus. E a ressurreição de Jesus era, no fim das contas, a prova inegável de que ele realmente era o Filho de Deus. Se aquela evidência não pudesse ser oferecida, todas as demais palavras de Jesus, tudo o mais cairia diante dos olhos de Tomé e de sua consciência. Jesuspoderia negar-se a dar evidências (como o fez muitas vezes), mas não nega. Ele simplesmente permite que Tomé satisfaça sua necessidade por sinais, mas depois o exorta frontalmente: Não seja incrédulo.

Provar o milagre. Não é essa a nossa maior necessidade? Não é por esse tipo de experiência que temos consumido todo o tempo dos nossos cultos, investido toda a intensidade da nossa Fé? Se não é o sobrenatural que perseguimos, o que é? O que Deus pensa a respeito da nossa necessidade de afirmações? O que Deus está disposto a fazer para que a gente deixe de duvidar da sua existência e de suas boas intenções, e da validade dos seus conselhos? Volta e meia me sinto correndo atrás do vento, como disse Salomão. E parece que a razão disso tudo é porque me esqueci ou ignoro o que Jesus disse a Tomé: Você só crê porque viu? Felizes os que não viram e creram. Eu, sinceramente, estou chocado com estas palavras. E quanto mais raciocino sobre elas, menos respostas me vem. Porque, aparentemente, Jesus indica que a Fé que não precisa de Milagres para sobreviver é mais Feliz. Produz mais segurança. Será que estamos vivendo infelizes, insatisfeitos, sub-nutridos sobrenaturalmente, por conta disso? Frustrados com Deus, buscando sinais, quando Jesus nos pede Confiança? Qual será o ponto de Equilíbrio entre “meu Deus é um Deus de milagres” (ou seja, ele pode curar o paciente terminal, pode parar balas e dar todo tipo de livramentos, pode dar visão a cegos, pode fazer a estéril engravidar…) e “Felizes os que não viram e ainda assim creram”? 

No meio de tantas perguntas, uma conclusão importante. Intrigado com esta situação narrada pelo Evangelho de João, resolvi buscar novos relatos sobre Tomé, já que foi da consciência dele que surgiu a dúvida que suscitou o problema. Encontrei uma lição profunda, veja: Em João 20 (v. Bíblia, em “João” Cap. 20) esta flagrada a incredulidade de Tomé. Mas a resposta de Jesus me parece prática demais para o caso, como um simples “você não precisa ver o caminho para andar, apenas dê um passo após o outro”, como se fosse fácil assim caminhar “no escuro”. Mas em João 11 encontramos uma coisa surpreendente. É mais um dos relatos de milagres que Jesus operou. E quem estava lá? O mesmo Tomé. E qual foi o milagre operado? Ressurreição. Pare e reflita aqui. Tomé já havia presenciado algo parecido, mas ainda assim sua Fé não havia sido alimentada. Nesta ocasião Jesus ressucita a Lázaro, depois de 4 dias de sepultura (tantas semelhanças, tantas evidências comuns), e, pasme, Tomé estava com eles, provavelmente presenciou aquele “espetáculo sobrenatural”, mas o tempo passa. A memória e a certeza enfraquecem. A conclusão é: Milagres não são indispensáveis à Fé. Nem provam a Fé. Milagres são Milagres. E Deus quem dirá quando e onde eles serão necessários e porquê.

E finalizo perguntando:

O que nos resta? O que devemos buscar? A Bíblia diz que agradar a Deus exige de nós “Fé”. Sem ela, isto não será possível. O que me leva à tantas outras perguntas.

Para quem é o milagre? Para nós, para Deus ou para os outros? (porque as vezes sinto que buscamos milagres na tentativa de mostrar aos outros, ou a nós mesmos, “veja, eu estou certo, Deus existe, você não vê? Tenha Fé”) Mas e a felicidade prometida aos que creriam sem ver, onde fica?

Será que realmente temos consciência do que é o milagre? Será que devemos realmente tratá-lo como um “espetáculo público”, como uma “moeda de compra” da Fé dos outros, filmá-lo, registrá-lo oficialmente (mesmo correndo o risco de, eventualmente, ou fatalmente, ser surpreendidos pela falta de consistência de muito daquilo que chamamos “milagre”?)?

Se constantemente eu estiver tentando re-tocar as marcas dos pregos, testar com prova e contra-prova a veracidade do sangue derramado, o que fazer, se Jesus se negar a oferecer provas de si mesmo (como o fez diante do pedido dos fariseus por “sinais”)?

Crer sem Ver é possível? Sim, porque tem dias que sinto que se Deus não agir em minha vida de alguma maneira sobrenatural, mesmo que da maneira mais absurda (uma nuvem diferente, uma carta anônima, uma brisa inesperada) minha fé não vai suportar. E serei tomado e consumido pelas dúvidas. Seria possível viver toda esta vida crendo apenas no que se leu a respeito de Jesus? No passado documentado?

Alguns dizem que não é possível. Alguns dizem que os mesmos milagres e sinais tem que ocorrer, porque o Deus é o mesmo. Alguns dizem que Jesus ainda cura como nos dias passados, mesmo que ninguém tenha se atrevido até agora a ir aos hospitais curar(como Jesus o fez, veja em João 5, O Tanque de Betesda, onde os doentes se reuniam). Alguns dizem sobre  a necessidade da experiência com anjos, e demônios, e visões e batalhas espirituais e tanto o mais do “sobrenatural necessário”. Eu, porém, crendo em todas estas coisas, tenho ainda muitas questões a respeito do “como”, “porquê” e “pra quê” destas coisas. E encerro com o fim do capítulo que despertou esta reflexão sobre Tomé, incredulidade, Fé,  milagres e Jesus (Sempre Enigmático, mas tão sábio e profundo):

“Jesus, pois, operou também em presença de seus discípulos MUITOS OUTROS SINAIS, QUE NÃO ESTÃO ESCRITOS neste livro. Estes, porém, foram ESCRITOS para que vocês CREIAM que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenham vida em seu nome”. (João 20:30 e 31)

Parece que Jesus esperava que nossa Fé fosse Suficiente para que, mesmo apenas lendo e conhecendo essas histórias, pudessemos chegar a algum lugar seguro na vida com Deus. Para que mesmo se não fosse possível Ver, Tocar, Provar, Testar, estivessemos felizes. Nossa Fé não depende disto.